Juventude efervescente entra em conflito com o seu compromisso materno em “Wasp”

Curta metragem é mais uma grande obra do realismo social de Andrea Arnold


Zoë é uma mãe solteira que vive com seus quatro filhos em Dartford, Inglaterra. Esgotada pelas dificuldades financeiras que passa, pelo trabalho que enfrenta ao cuidar de quatro crianças e por todas as coisas que abriu mão para ficar com os filhos, um dia Zoë reencontra um conhecido que a convida para sair, e então decide dar um jeito das crianças não atrapalharem o seu encontro. Esse será o seu primeiro encontro em anos.

“Wasp” é mais uma obra de Andrea Arnold que incorpora o realismo social de forma sublime. No decorrer do curta é possível se irritar com Zoë, que parece não cuidar direito de seus filhos, os deixando sem tomar banho, em uma casa suja e sem comida. Ao mesmo tempo, é possível também sentir pena dessa mulher jovem que precisa dar conta de tudo sozinha.

Quando Dave a convida para sair, Zoë se reascende, e vê naquele encontro até como uma forma de escapismo. Não conseguindo encontrar alguém para ficar com seus quatro filhos, Zoë os deixa no estacionamento do pub que acontecerá o encontro com Dave. A filha mais velha, Kelly, fica encarregada de cuidar dos três irmãos mais velhos.

Kelly é um estudo à parte, uma criança madura. Em certo momento ela até pergunta à mãe se ela vai transar com Dave. A mãe fica assustada e a repreende, dizendo que aquele não é um assunto para a idade dela. Kelly fala sobre essa assunto porque ela já cresceu, como irmã mais velha ela precisou se adultizar para cuidar dos mais novos e para ser a melhor amiga de sua mãe.

Ao longo do encontro o expectador vai sentindo uma angústia e apreensão pelas crianças estarem escondidas no estacionamento, sujas e com fome, e com Zoë dentro do bar querendo curtir aquele momento, mas também preocupada com seus filhos que estão lá fora.

E mesmo estando na flor da idade e no tesão daquele momento em que finalmente está com um parceiro, Zoë larga tudo e vai correndo atrás dos seus filhos quando sente que eles estão em perigo.

Andrea Arnold conseguiu retratar de forma crua a vida de uma mãe solteira que vive uma vida sem prazeres, em que tudo gira ao redor da maternidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Comments (

0

)

%d blogueiros gostam disto: